quinta-feira, 7 de junho de 2012

O medicamento fampridine, ainda em fase de teste, melhorou o movimento dos pacientes com esclerose múltipla...

... e parece ter boa tolerância, revela nesta sexta-feira a revista médica The Lancet.
A pesquisa, liderada por Andrew Goodman, da Universidade de Rochester (Nova York), realizou testes clínicos da fase III (última etapa antes do pedido de aprovação para o mercado) em cerca de 300 pacientes com esclerose múltipla, com entre 18 e 70 anos.
Parte do grupo tomou durante 14 semanas a droga fampridine (10 mg duas vezes ao dia) e a outra parte recebeu um placebo.
No grupo tratado com fampridine, 35% dos pacientes passaram a caminhar melhor, contra apenas 8% no grupo que tomou placebo.
A esclerose múltipla, doença neurológica que provoca perda dos movimentos, degrada a bainha de mielina que protege as fibras nervosas, reduzindo a velocidade de condução dos sinais.
Esta doença crônica, que afeta com maior frequência o jovem adulto, atinge cerca de 80 mil pessoas na França e 350 mil na Europa.
O fampridine não age no processo de desmielinação, mas contribui para melhorar o fluxo de sinais nervosos.
O laboratório Acorda Therapeutics, que desenvolve a nova droga, apresentou este mês um pedido de autorização de acesso ao mercado à agência americana de medicamentos (FDA).
Fonte: UPEM-Sor
www.upemsor.blogspot.com

Um comentário:

  1. Mais uma vez a ABEM está lutando para incorporar um novo tratamento gratuito na rede pública de saúde de todo o Brasil para os pacientes com Esclerose Múltipla. Pedimos a sua ajuda neste momento que pode mudar a cara do tratamento da Esclerose Múltipla no Brasil, beneficiando diretamente a qualidade de vida dos pacientes.
    Envolva-se! Contamos com sua participação assinando a petição e divulgando nossa campanha.

    http://goo.gl/cruayz

    http://www.abem.org.br/

    ResponderExcluir